Queda e invasão: como evitar acidentes na colheita do pinhão

Com a liberação da colheita do pinhão são comuns as ocorrências envolvendo esse tipo de situações.

Queda e invasão durante a colheita do pinhão. Com a liberação da colheita do pinhão são comuns as ocorrências envolvendo acidentes como queda ou pessoas presas em araucárias. Outro fato que costuma ser registrado é a invasão de propriedades particulares por pessoas que catam o pinhão, configurando em furto.

Assim, o repórter Lucas Arigoni buscou orientações de segurança. Ele conversou com um bombeiro que fala sobre os cuidados para subir em pinheiros evitando alguma queda, e com um representante da polícia ambiental que alerta sobre os riscos de invasão de propriedade alheia para catar pinhão. Assista na reportagem.

SAIBA MAIS

No fim de semana, um jovem ficou preso por aproximadamente 2 horas em uma araucária no município de São Joaquim.

O rapaz de 19 anos, ficou pendurado e agarrado em um pinheiro a uma altura de cerca de 15 metros do chão. Os bombeiros foram então acionados para fazer o resgate.

Foi armado um estabelecimento com um cabo de salvamento de 50 metros e ancorado ao pé do pinheiro, em seguida efetuado acesso até o local onde estava o jovem, com a utilização de um ascensor e trava cabo, ainda confeccionado uma cadeirinha de salvamento na vítima. Após a estabilização e em segurança foi efetuada a descida, via rapel acoplado ao bombeiro.

O jovem não se feriu. No entanto, relatou aos bombeiros, que ao subir no pinheiro para fazer a retirada de algumas pinhas sentiu-se cansado, quando viu que poderia cair se amarrou ao pinheiro utilizando uma corda, ficando ali por aproximadamente 2 horas, até a chegada do socorro.

Inscreva-se no canal do RBV Notícias no YouTube

Receba diariamente em seu smartphone notícias do Meio Oeste de Santa Catarina, do estado, do Brasil e do mundo. Salve portanto em seus contatos o WhatsApp do RBV Notícias e envie uma mensagem: (49) 99129-4258.

Assim, com o RBV Notícias você fica sabendo das informações em destaque nas cidades de Caçador, Videira, Tangará, Capinzal e de quase 50 municípios em toda a região do Alto Vale do Rio do Peixe.

Fonte: Rádio Videira /RBV Notícias
Foto: Divulgação