Março Azul-marinho conscientiza à prevenção do câncer colorretal

Conforme o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer colorretal é o terceiro mais frequente entre os homens e o segundo mais incidente nas mulheres.

O mês de março é conhecido como o mês da mulher e por campanhas voltadas somente a elas. Entretanto, no mesmo mês, há uma campanha pouco divulgada que é o Março Azul-Marinho, tendo intuito de alertar toda a população sobre o câncer colorretal. 

 

 

Esse é o relato de Eri Bettoni, 61 anos, diagnosticado com câncer colorretal. Esse tipo de tumor, conforme o médico Cirurgião do Aparelho Digestivo, dr.  Marcelo Andreani, se desenvolve no intestino grosso – no cólon, ou em sua porção final, o reto -.

 

 

Oito em cada dez brasileiros têm contato com uma pessoa com câncer. Apesar dessa proximidade com a doença, o câncer é alvo de estigma, segundo dados de uma pesquisa feita pelo Instituto Oncoguia, que atua em apoio a pacientes. Além disso, conforme o Instituto Nacional de Câncer, o INCA, o câncer colorretal é o terceiro mais frequente entre os homens e o segundo mais incidente nas mulheres. E uma das causas – além de ser hereditário -, é a má alimentação.

 

 

A mudança intestinal foi um dos motivos em que seo Eri teve que sair correndo de casa para o hospital.

 

 

E a prevenção e detecção precoce do problema é a maneira mais eficaz para a cura. Por isso exames periódicos devem ser feitos.

 

 

O câncer de cólon e reto está associado a fatores genéticos, ambientais e a maus hábitos alimentares, e, por isso, hábitos saudáveis podem minimizar as chances de desenvolver um câncer. Afinal, são os cuidados de hoje que definem a saúde do futuro.

 

 

No caso do seo Eri, a doença se desenvolveu devagar, graças aos seus bons hábitos alimentares.  E agora ele se prepara para começar a radioterapia e quimioterapia. Para seo Eri, o futuro é a esperança de tudo voltar como era antes.

 

 

Fonte: Jornalismo Rádio Videira
Foto: Rádio Videira