Feminicídio: SC perdeu uma mulher por semana para violência de gênero em 2020

Para Polícia Civil, pandemia da Covid-19 fez aumentar casos de violência dentro de casa.

Ao menos 57 mulheres foram assassinadas em Santa Catarina pela condição de gênero durante os 12 meses de 2020. O dado representa a média de uma morte a cada seis dias no estado.

Para a Polícia Civil, a pandemia do novo coronavírus fez aumentar os casos de violência dentro de casa. Por conta da insegurança sobre o futuro, crise econômica e isolamento, segundo a delegada Patrícia Zimmermann, coordenadora das Delegacias de Proteção a Mulher (Dpcamis), o número de mortes de 2020 quase atingiu o índice do pior cenário para o estado, que foi 2019. Naquele ano, 59 mulheres foram vítimas de feminicídio.

“Nós aqui estamos com um número muito semelhante ao de 2019, que foi um ano muito negativo para essa estatística. Então, acompanhando caso a caso, a gente vê sim a incidência dos fatores de estresse da pandemia como algo relevante”, afirmou.

Segundo pior ano desde que lei foi criada

Na série histórica, desde que a lei que tem como objetivo proteger as vítimas de violência e abuso doméstico foi criada, em de março de 2015, 309 mulheres perderam a vida por conta do crime em Santa Catarina.

O crime de feminicídio está entre aqueles com a mais alta pena do código penal brasileiro. O assassino pode ficar preso em regime fechado por 30 anos. Segundo a Polícia Civil, desde 2016 o índice de resolução da tipificação desse crime é de 100%.

De acordo com a delegada Patrícia, a vida dos agressores também acaba quando eles praticam o feminicídio: “Nós temos um índice altíssimo de autores que se suicidam e os que não se suicidam acabam sendo presos. E se tiver filhos desse relacionamento, traz sérios prejuízos, que ficam órfãos de pai e mãe”.

Fonte: Rádio Videira / G1
Foto: Divulgação