Conta de luz vai ficar mais cara em dezembro com retorno da bandeira vermelha

Além da taxa adicional no Brasil inteiro, consumidores de SC têm também aumento na conta feito pela Celesc

A conta de luz vai ficar mais cara no Brasil inteiro a partir desta terça-feira (1º). A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu reativar o sistema de bandeiras tarifárias e classificou o mês de dezembro para a faixa mais elevada de valores, com a bandeira vermelha patamar 2.

Na prática, a cobrança extra será de R$ 6,24 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

O sistema de bandeiras tarifárias que faz o preço da energia elétrica flutuar conforme as condições da rede estava suspenso desde maio, por causa da pandemia do coronavírus. Desde lá a bandeira verde estava acionada, sem nenhuma adição de taxas aos consumidores. A previsão era manter essa política até o dia 31 de dezembro, mas a Aneel decidiu rever a posição em uma reunião nesta segunda (30).

Segundo a agência, o motivo do retorno das bandeiras é o crescimento do consumo de energia elétrica e a queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas pelo país.

Segundo aumento em SC

Para os consumidores de Santa Catarina, a taxa extra da bandeira vermelha deve se somar a um outro aumento na conta de luz. Desde o fim de outubro a Celesc já cobrou dos catarinenses uma tarifa atualizada, com valor mais alto, e nas próximas faturas os consumidores receberão também a cobrança dos valores retroativos desde agosto.

A questão envolve uma briga judicial sobre o reajuste pretendido pela Celesc. A tarifa havia sido anunciada em agosto, mas suspensa por decisão judicial até uma nova deliberação em 29 de outubro, que autorizou a cobrança.

Na prática, além do aumento natural os consumidores também receberão na fatura o valor que deixaram de pagar entre 22 de agosto e 31 de outubro.

A Celesc não informou se a mudança da bandeira tarifária no país terá algum impacto nos reajustes já definidos em SC.

 

Fonte: Jornalismo Rádio Videira / NSC Total
Foto: Divulgação